Buscar
  • BTI Technology & Intelligence

Sistema Global de Navegação por Satélite (GNSS)

Atualizado: Mai 21

Um Sistema Global de Navegação por Satélite (GNSS) refere­-se à uma cons­telação de satélites que possibilita o posicionamento, em tempo real, de objetos, bem como a navegação em terra ou mar. Esses sistemas são utilizados em diversas áreas, como mapeamentos topográficos e geodésicos, aviação, navegação marítima e terrestre, monitoramen­to de frotas, demarcação de fronteiras, agricultura de precisão, entre outros usos.



A performance desses sistemas é avaliada segundo os seguintes critérios:

  • precisão: a diferença entre a medição recebida e a posição real;

  • integridade: a capacidade do sistema soltar um alerta quando detectar uma medição anormal;

  • continuidade: capacidade do sistema trabalhar sem interrupções;

  • disponibilidade: percentual do tempo que o sistema preenche os requisitos anteriores (precisão, integridade e continuidade).

O sistema NAVSTAR-­GPS, desenvolvido e controlado pelo Departa­mento de Defesa dos Estados Unidos – inicialmente para fins militares e, posteriormente, aberto para uso civil –, até hoje é o sistema mais utilizado no mundo. Trabalha com uma constelação de 31 satélites, de forma a garantir que sempre tenham, ao menos, 24 satélites operando, distribuídos em seis órbitas, a uma altitude aproximada de 20.200 km da superfície terrestre.


Além do sistema GPS, outros países vêm trabalhando seus sistemas de posicionamento regional ou global, buscando com isso tornarem­-se independentes e autonômos na aquisição de dados georreferenciados, sendo os principais:

­

  • GLONASS: o sistema global de posicionamento por satélites rus­so foi desenvolvido, inicialmente, para fins militares pela antiga União Soviética e, no meio do processo, foi aberto, também, para o uso civil. Com a extinção da URSS, a Federação Russa continuou sua implantação, tornando-­se completamente operacional em 2011. O sistema opera com uma constelação de 24 satélites distribuídos em três planos orbitais, a uma altitude aproximada de 19.100 km.

  • Galileo: sistema de posicionamento por satélite de iniciativa civil, desenvolvido e operado pela Comunidade Européia, com uma constelação de trinta satélites, incluindo os seis extras para reposição, distribuídos em três planos orbitais, a uma alti­tude aproximada de 23.222 km. O sistema Galileo é interoperável com os sistemas GPS e GLONASS, o que possibilita medições mais precisas.

  • BeiDou/ BDS: também conhecido por Compass, este sistema de posicionamento foi desenvolvido pela China, e opera regio­nalmente no momento, mas com previsão de cobertura global, com 35 satélites (cinco satélites geoestacionários e trinta não geoestacionários). Assim como o Galileo, o BeiDou também é projetado para ser interoperável com os outros sistemas de geolocalização citados an­teriormente.



­No Brasil, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) opera uma rede de estações permanentes, a Rede Brasileira de Monitoramento Contínuo dos Sistemas GNSS (RBMC), composta por 146 estações. Estas estações constituem uma ferramenta de suporte para a utilização desta tecnologia no Brasil e o principal elo de ligação com os sistemas de referência internacionais.


Atualmente, a humanidade não conseguiria mais viver sem o uso de sistemas GNSS, assim como não conseguiria sem telefone ou eletricidade. É a tecnologia fazendo parte, cada vez mais, da nossa vida.



(Adaptado de artigo publicado no website do IBGE, disponível em www.ibge.gov.br).

4 visualizações0 comentário